top of page
  • Daniel Arcades

28º Prêmio Braskem marca retomada do público ao teatro e homenageia Dias Gomes

NAU e Histórias do Mundão estão entre os indicados



A carga simbólica em torno do que acontecerá no palco do Teatro Castro Alves a partir das 20h desta quarta-feira (18) é grande. A 28ª edição do Prêmio Braskem de Teatro já é muito importante para as artes cênicas da Bahia, por ser um porto seguro para muitos artistas, que se viram seriamente desolados com a pandemia e ainda não enxergam perspectivas de segurança em seus trabalhos, mesmo com a retomada que já se iniciou.

Além disso, o evento ainda terá um espetáculo que homenageia o centenário do baiano Dias Gomes (1922- 1999), um dos maiores nomes da literatura, teatro e dramaturgia nacional. A montagem é dirigida por Gil Vicente Tavares. Tudo isso com a presença efetivamente presencial – com o perdão da redundância-, tão importante para o teatro.

Gil Vicente promete uma premiação marcada pela trilha sonora com canções Chico Buarque, Toquinho, Vinícius de Moraes, Edu Lobo e Moraes Moreira, que foram compostas para peças e aberturas de novelas escritas por Dias Gomes.

“Essas músicas ainda estão no imaginário das pessoas, mas muitas vezes elas não sabem que as canções foram criadas originalmente para espetáculos de Dias Gomes. Então, com esse panorama da história dele, queremos reforçar a importância desse baiano para a cultura brasileira, que vai muito além da dramaturgia”, explica Gil Vicente, que teve o apoio do diretor musical Luciano Salvador Bahia.

O espetáculo será transmitido pelos canais do Prêmio Braskem, no canal Educa (Educação Bahia – YouTube) e do iBahia no YouTube.


Ano de se reiventar

Nove categorias estão na disputa: espetáculo adulto, infantojuvenil, direção, ator, atriz, texto, especial, revelação e a nova categoria performance. Os vencedores de Espetáculo Adulto e Infantojuvenil receberão R$ 30 mil, cada; e os demais, R$ 5 mil cada, além do troféu.

Coordenador da Comissão de Jurados do Prêmio Braskem de Teatro, Fernando Marinho diz que a nova categoria é importante. Ele valoriza o modelo virtual, que possibilitou que montagens do interior da Bahia pudessem concorrer em todas as categorias. Apesar disso, ele assume que o teatro sente muita falta do presencial. Tanto para o público quanto para alguém com o trabalho dele, de avaliar.

“Para a avaliação é diferente. No audiovisual há muito do olhar de quem dirige, o olho da câmera, que encaminha, diferente da ação presencial, que você vê com seus próprios olhos. Eu observo uma coisa que você que está de meu lado não vê, não se atentou. Você pode, no presencial, ver de uma forma muito mais rica”, pondera.

Ao mesmo tempo, destaca que o prêmio também se reinventou, assim como artistas e produções. “Inclusive, ficou mais robusto com a categoria de performance”. Outro importante avanço, é ter uma única comissão de avaliação para espetáculos da capital e interior, que estão participando em todas as categorias.

A comissão julgadora foi formada pelo dramaturgo, roteirista, ator e apresentador de TV Aldri Anunciação; pela pós-doutora em artes cênicas e professora da Escola de Teatro da UFBA, Alexandra Dumas; pelo ator, autor, diretor e professor Fabio Vidal; pelo o artista, pesquisador e curador Felipe Assis e peça produtora e gestora cultural Virginia Da Rin.

Eles analisaram 80 espetáculos adultos, 22 infantojuvenis e 25 performances inéditas, produzidos entre janeiro de 2020 e dezembro de 2021 e tiveram exibição on-line. Com a avaliação das peças remotamente, as fronteiras geográficas foram dissolvidas, permitindo que espetáculos de todo o estado fossem considerados e indicados em qualquer categoria.

Diretora de marketing e comunicação da Braskem, Ana Laura Sivieri avalia que a classe artística, duramente impactada pela pandemia, se ressignificou. “Essa edição do Prêmio Braskem de Teatro reconhece e valoriza esse esforço. Além disso, a cerimônia de premiação reúne a classe artística nesse grande templo do teatro baiano, que é o TCA”, destaca .

CONFIRA OS INDICADOS AO 28º PRÊMIO BRASKEM DE TEATRO:

Categoria ESPETÁCULO ADULTO

· A Filha da Monga · Ensaio para uma redenção · Gota D’Água · NAU · Para-iso

Categoria ESPETÁCULO INFANTOJUVENIL

· Barcarola Encantada · Histórias do Mundão · Metamorfose · Um Corpo de Palavras · Zumbindo

Categoria PERFORMANCE

· Alcantil · Arquivo Vivo · Corpo Presente · De como me tornei invisível para caber no meu espírito · Omorfiá

Categoria ESPECIAL

· Eliete Teles e Rubenval Meneses – pela construção dos bonecos de Metamorfose · Felipe Mimoso – pela Direção Musical de NAU e Bonipaxé · Gabriel da Conceição Teixeira – pela Direção de Fotografia de Gota D’Água · Maurício Martins – pela Direção de Arte de Dédalus · Rino Carvalho, Lucimaureen Agra e Saulus Castro – pela Cenografia de Jonas: dentro do grande peixe

Categoria TEXTO

· Caio Rodrigo, Daniel Farias e Ian Fraser – pelo texto de Ensaio para uma redenção · Denisson Palumbo – pelo texto de Jonas: dentro do grande peixe · Gildon Oliveira – pelo texto de Pequenas Histórias de Impossíveis Amores · Luiz Antônio Sena Júnior – pelo texto de Para-iso · Luiz Marfuz – pelo texto de A Filha da Monga

Categoria ATRIZ

· Chica Carelli – pela atuação em Fragmentos de um Teatro Decomposto · Evana Jeyssan – pela atuação em Gota D’Água · Isadora Werneck – pela atuação em Pensamentos de Paz durante um Ataque Aéreo · Thaiz Patez – pela atuação em Bella Cenci · Zeca de Abreu – pela atuação em A Filha da Monga

Categoria ATOR

· Agamenon de Abreu – pela atuação em Xô Xuá – Um samba para Riachão · Diogo Lopes Filho – pela atuação em Sua Excelência Oscar da Penha, o Batatinha · Lúcio Tranchesi – pelas atuações em Terrário e Ensaio para uma redenção · Saulus Castro – pela atuação em Jonas: dentro do grande peixe · Vagner Jesus – pela atuação em Manual Como Conter uma Raça Poderosa

Categoria REVELAÇÃO

· Daniel Marques – pela atuação e Direção de O Zoológico de Vidro · Hyago Matos – pelas Direções de Antígona e As Centenárias · Isac Tufi – pela Direção de Bonipaxé · Ninha Almeida – pela atuação em O Salto · Oliveira Pedreira – pela Direção de Jeniffer

Categoria DIREÇÃO

· Elisa Mendes – pela Direção de Bella Cenci · Luiz Antônio Sena Júnior – pela Direção de Para-iso · Rino Carvalho – pelas Direções de “Jonas: dentro do grande peixe” e Histórias do Mundão · Thiago Romero e Daniel Arcades – pela Direção de NAU · Vinícius Lírio – pela Direção de Gota D’Água


0 comentário

Comments


bottom of page